sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Ensino superior | o pós licenciatura

não estou preparada. sinto-me preparada para a rotina novamente, mas não me sinto preparada para fazer tudo de novo. fiz o luto todo que precisei de fazer e decidi guardar as recordações boas que ganhei durante este período da minha vida. trouxe-me comigo as pessoas bonitas que se cruzaram no meu caminho, e trouxe também as recordações e aprendizagens que consegui com as pessoas que já não podem estar comigo - mas que estiveram um dia.

às vezes precisamos de fechar ciclos da nossa vida para que outros se possam abrir. parece muito estranho estar a dizer isto desta maneira sobre algo que acontece naturalmente mas eu precisei de muito tempo para perceber que o mundo não acaba quando a faculdade acaba. eu não deixei de saber fazer amigos só porque já não estou na faculdade. posso sentir que as quartas académicas não têm o mesmo sabor? posso. posso olhar para os meus caloiros e sentir que o meu dever foi cumprido e que a praxe já passou? posso. vivi tudo tão intensamente que agora sinto que estar a forçar as coisas só vai estragar as memórias que eu tenho.

durante uma conversa profunda (com pessoas que já só conseguiam ser sinceras) percebi que não sou apenas eu nesta situação. que a faculdade não resume a nossa vida. que os amigos que eu fiz lá não vão desaparecer só por eu estar em mestrado. que o mestrado é uma pré despedida da nossa vida universitária. percebi que não era a única que sente que o timing da faculdade está a acabar.

entrei no mestrado e vou frequentar o mestrado mas acho que não preciso de me sentir obrigada a sentir o mesmo espírito académico que senti no meu 1º ou no meu 2º ano. não quer dizer que não tenha vontade de sair, de me divertir ou de dançar até ser de manhã. quer dizer que não tenho vontade todas as semanas e isso não é mau. chama-se crescer.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019


Para onde vais quando não sabes onde queres ir?

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

O grupo '19

Ainda com as emoções à flor da pele e já cheia de saudades daquilo que foi a minha última semana, trago-vos mais um agradecimento por tudo o que aconteceu. 
Ir de férias com as pessoas que estão comigo durante todo o ano é das coisas mais importantes que faço no verão. Mesmo que seja cada vez mais difícil conciliar horários, férias do trabalho e compromissos da nossa vida pessoal, o esforço recompensa sempre.

Ainda que haja discussões todos os dias sobre quem vai cozinhar, sobre quem vai levar a loiça ou sobre as horas que vamos para o rio, são discussões familiares - que todas as famílias têm. Sim, aquelas oito criaturas são a minha segunda família. Estão comigo há tanto tempo que se não for para sempre não sei quem vai ser. 

Viver com eles durante uma semana é reforçar todas as minhas energias para os dias maus que possam existir. É saber que não estamos sozinhos mesmo que não seja dito. É estarmos lá uns para os outros, é desabafar sobre os assuntos mais importantes mas javardar com os assuntos mais aleatórios.
Que Setembro comece sempre convosco e com as discussões mais improváveis do mundo. Que me sinta em casa sempre que estou convosco e que continuemos a inventar as regras mais estúpidas para os jogos. 
Gosto muito de cada um de vocês.