sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Ensino superior | o pós licenciatura

não estou preparada. sinto-me preparada para a rotina novamente, mas não me sinto preparada para fazer tudo de novo. fiz o luto todo que precisei de fazer e decidi guardar as recordações boas que ganhei durante este período da minha vida. trouxe-me comigo as pessoas bonitas que se cruzaram no meu caminho, e trouxe também as recordações e aprendizagens que consegui com as pessoas que já não podem estar comigo - mas que estiveram um dia.

às vezes precisamos de fechar ciclos da nossa vida para que outros se possam abrir. parece muito estranho estar a dizer isto desta maneira sobre algo que acontece naturalmente mas eu precisei de muito tempo para perceber que o mundo não acaba quando a faculdade acaba. eu não deixei de saber fazer amigos só porque já não estou na faculdade. posso sentir que as quartas académicas não têm o mesmo sabor? posso. posso olhar para os meus caloiros e sentir que o meu dever foi cumprido e que a praxe já passou? posso. vivi tudo tão intensamente que agora sinto que estar a forçar as coisas só vai estragar as memórias que eu tenho.

durante uma conversa profunda (com pessoas que já só conseguiam ser sinceras) percebi que não sou apenas eu nesta situação. que a faculdade não resume a nossa vida. que os amigos que eu fiz lá não vão desaparecer só por eu estar em mestrado. que o mestrado é uma pré despedida da nossa vida universitária. percebi que não era a única que sente que o timing da faculdade está a acabar.

entrei no mestrado e vou frequentar o mestrado mas acho que não preciso de me sentir obrigada a sentir o mesmo espírito académico que senti no meu 1º ou no meu 2º ano. não quer dizer que não tenha vontade de sair, de me divertir ou de dançar até ser de manhã. quer dizer que não tenho vontade todas as semanas e isso não é mau. chama-se crescer.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019


Para onde vais quando não sabes onde queres ir?

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

O grupo '19

Ainda com as emoções à flor da pele e já cheia de saudades daquilo que foi a minha última semana, trago-vos mais um agradecimento por tudo o que aconteceu. 
Ir de férias com as pessoas que estão comigo durante todo o ano é das coisas mais importantes que faço no verão. Mesmo que seja cada vez mais difícil conciliar horários, férias do trabalho e compromissos da nossa vida pessoal, o esforço recompensa sempre.

Ainda que haja discussões todos os dias sobre quem vai cozinhar, sobre quem vai levar a loiça ou sobre as horas que vamos para o rio, são discussões familiares - que todas as famílias têm. Sim, aquelas oito criaturas são a minha segunda família. Estão comigo há tanto tempo que se não for para sempre não sei quem vai ser. 

Viver com eles durante uma semana é reforçar todas as minhas energias para os dias maus que possam existir. É saber que não estamos sozinhos mesmo que não seja dito. É estarmos lá uns para os outros, é desabafar sobre os assuntos mais importantes mas javardar com os assuntos mais aleatórios.
Que Setembro comece sempre convosco e com as discussões mais improváveis do mundo. Que me sinta em casa sempre que estou convosco e que continuemos a inventar as regras mais estúpidas para os jogos. 
Gosto muito de cada um de vocês. 

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Música | Melodia Da Saudade

Esta música merece ser partilhada, ouvida e sentida. Tenho a certeza que se vão lembrar de alguém assim que a começarem a ouvir.
Em quem pensam quando ouvem esta música?
 Já conheciam?

domingo, 1 de setembro de 2019

8 de 12 | Meu querido mês de Agosto

Agosto é sempre um mês recheado de emoções - um misto de sentimentos.
Agosto trouxe-me alguns momentos em família porém não tantos como o que eu desejava com aquela família que só vemos nesta época do ano - é uma das consequências dos horários rotativos e dos trabalhos de shopping.
Comecei o mês no sitio onde é para mim,  o melhor sítio do mundo, com uma das melhores pessoas  que tenho neste momento na minha vida.
Trouxe-me dias de praia, banhos de sol e alguns pores-do-sol bonitos em Torres Vedras. Tive a oportunidade de conhecer Torres, de passear pela praia de Santa Cruz e de aproveitar o que esta terra tinha de melhor para nos dar.
Foi um mês de dois concertos incríveis - Dama e David Carreira -  e de ficar cada vez mais apaixonada pela música portuguesa.
Agosto foi um mês de começar a pensar no futuro, de sonhar com novas coisas e de começar a lutar por coisas que queremos, mesmo que seja em passos de tartaruga.
Agosto trouxe-me visitas boas ao trabalho durante horas só para me fazer companhia, trouxe-me um convite bonito e um pedido para ser dama de honor ainda mais especial. Aprendi que não precisamos de nos ver todos os dias para o sentimento estar lá, uns dias mais do que outros mas está lá.

Agosto fez-me querer sair daqui muitas vezes, e apesar de todas as coisas boas que agosto me trouxe, a falta de vontade teve presente grande parte do meu tempo. O acordar sem vontade para ir trabalhar ou fazer outra coisa qualquer é uma constante nos meus dias, por ficava o dia todo de pijama a fazer vários nadas. O blog esteve todo o mês parado por falta de motivação e sinto que vai continuar assim até ter realmente vontade de escrever.

Que Setembro seja um (bom) recomeço.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019


Tenho saudades da blogosfera de 2015!

sábado, 17 de agosto de 2019

Taizé

Dizem que só sentimos saudades quando perdemos. Hoje deu-me umas saudades enormes de uma das melhores semanas que já vivi - Taizé.

Nunca consegui explicar por palavras aquilo que lá se vive, o que se sente quando se está lá e as ligações que se criam. Ligações essas que não são diárias mas que serão sempre especiais por simplesmente terem existido numa determinada altura da tua vida. Voltar à vida real depois de uma semana em Taizé é doloroso mas depois conseguimos voltar lá, mesmo que seja por breves minutos e relembrar tudo aquilo que vivemos.

Taizé é um fenómeno que nunca ninguém vai conseguir compreender enquanto não experimentar. Ainda oiço a playlist de Taizé vezes sem conta, ainda vejo as minhas fotos, ainda penso em tudo aquilo que Taizé trouxe para  a minha vida. Não consigo encontrar uma explicação para o fenómeno que se vive lá. Há algo que acontece lá que não acontece no nosso mundo "real". Tudo é mais fácil lá, todos nos conseguimos perceber sem que seja necessário falarmos a mesma língua.

Aprendi ao longo da minha vida que de cada experiência que temos trazemos aprendizagens e Taizé trouxe-me tantas. Serei eternamente grata por poder experimentar este pedacinho de paraíso que existe na terra, e gostava que todos tivessem a mesma oportunidade que eu.
Se me perguntassem neste momento onde eu gostava de estar, eu sabia exatamente qual seria a minha resposta.


sábado, 10 de agosto de 2019

House of Pandora | Porto

Na última ida ao porto o hotel escolhido para passar lá a noite foi o House of Pandora. Encontramos o hotel por acaso no site Hoteis enquanto procurávamos alojamento e devido ao preço que este hotel se encontrava fizemos a reserva. 

Chegamos ao hotel antes da hora combinada mas mesmo assim pudemos fazer o check-in. Fomos muito bem recebidas pela Patrícia, uma das sócias do hotel, que nos mostrou todos os espaços do hotel e nos contou a história do hotel. Foi a partir daqui que eu fiquei encantada com o espaço. Podia ser mais um hotel bonito, onde nos davam a chave do quarto e não queriam saber mais de nós enquanto hospedes, no entanto, a Patrícia fez questão de nos levar ao quarto, de nos apresentar a piscina, o spa, a sala de convívio, e todos os outros locais. 

Para além de nos fazer a visita guiada pela casa, ou hotel - como queiram chamar - contou-nos que aquilo era um projeto de duas amigas que se cansaram da sua vida atarefada e decidiram dedicar-se a algo que realmente gostavam - viajar e estar com as pessoas.

Ficamos alojadas numa suite familiar, com dois quartos de casal e uma casa de banho. O quarto tinha uma decoração simples e minimalista, como o resto do hotel. No exterior do hotel existia uma piscina e um jardim com um excelente espaço para relaxar. 

 A Patrícia falava daquele projeto com tanto amor e tanta dedicação que é impossível alguém não gostar de a ouvir. Durante o resto da estadia sempre se mostrou disponível para nós e fez-nos sentir que estávamos em casa. Foi sem dúvida, o hotel mais acolhedor e mais bonito que alguma vez fui. Aconselho imenso este local e tenho a certeza que vou voltar lá!





quinta-feira, 1 de agosto de 2019

7 de 12 | Julho

Julho foi um mês looooooongo. Aconteceu tanta coisa neste mês que parece que passaram dois meses num só!
Em Julho eu trabalhei mais horas que o normal o que me deu muitas dores de cabeça mas também consegui aproveitar muitas horas de sol porque finalmente teve tempo para isso.

Tive a oportunidade de passar duas noites no hotel - em Viseu e no Porto - e consegui desfrutar dos momentos de descanso.
O Verão é óptimo para podermos passar mais tempo com as pessoas que não temos tanta oportunidade de estar durante o ano. É uma excelente altura para passar mais tardes no café a desfrutar do tempo livre que temos. Foram muitos os cafés e os jantares tardios com as minhas pessoas. 

Julho trouxe-me alguns concertos e deu para matar saudades das típicas noites de Verão. Também neste mês fui ao parque aquático de Amarante (e adorei!). 
Os Átoa celebram os 5 anos de existência mas ainda não foi desta que pude matar saudades deles! 

Que Agosto traga ainda mais dias de praia, mais jantares e noites com as minhas pessoas. Que seja um mês de concertos e de festas!
como foi o vosso mês? 

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Guarda-roupa | Reutilizar

Cada vez temos mais facilidade de comprar roupa barata em lojas de shopping, por isso compramos roupa que se calhar não vamos usar assim tantas vezes. Com a quantidade de roupa que compramos surgem cada vez mais soluções para reutilizar a roupa que já só está em nossa casa a encher os armários e já nem nos lembramos que a temos.

Existem várias lojas que recolhem roupa usada com o objectivo de dar-lhe uma nova vida. A c&a e a h&m, por exemplo, recolhem roupa usada e oferecem um vale de desconto para usar na loja. 
Porém, começam a existir cada vez mais lojas a vender roupa em 2ª mão. Eu sou completamente apologista deste tipo de lojas porque assim estamos a dar uma nova vida à nossa roupa. 

Uma destas lojas que vende roupa usada é a Micolet.  
A Micolet vende roupa a preços super acessíveis com o objetivo de conseguirmos dar uma nova oportunidade à roupa, em vez de ficar com ela em casa a encher os armários. 

E tu? És a favor ou contra as lojas de roupa usada? Já conhecias a Micolet? 
Visitem o site e fiquem como eu, rendidos a esta loja. 

terça-feira, 23 de julho de 2019

Vamos falar de amor? | amor da tua vida ou para a tua vida?

Há uns tempos atrás surgiu no twitter a polémica de existir dois "tipos" de amor: o amor da tua vida e o amor para a tua vida. 
Uma youtuber que sigo pegou neste tema e fez um vídeo sobre a opinião dela e por isso hoje trago-vos a minha maneira de ver as coisas.
Deixo-vos o vídeo da Sara aqui para puderem ver vários pontos de vista.

A minha opinião:
Acho que não é justo estarmos com alguém sabendo que aquele não é o amor da nossa vida. Ou seja, quando nós estamos com alguém é suposto nós acharmos que aquele é o amor da nossa vida e que aquele amor vai durar para sempre.
Estar com alguém e saber que aquele amor vai acabar um dia é só ridículo. Ao estarmos com alguém temos de acreditar, fazer os possíveis (e impossíveis) para que aquele amor dure para sempre. O amor para a minha vida é suposto ser o amor da minha vida. Não consigo imaginar passar o resto da minha vida ao lado de alguém só porque é "o mais certo para mim". Eu imagino-me a passar a minha vida com alguém que eu goste de verdade e não só porque é o que me faz ter a vida mais estável. 


Depois de vos apresentar várias opiniões, qual é a vossa? 
Existe o amor da minha vida e o amor para a minha vida?

terça-feira, 16 de julho de 2019

Viseu | Hotel Onix

Quando se trabalha num centro comercial temos de aproveitar os poucos fins-de-semana que temos livres. Como não celebramos juntos os seis anos de namoro, juntamos o útil ao agradável e passamos o fim-de-semana de Julho a namorar e a celebrar (as conquistas e o amor).

A nossa ida a Viseu juntou a missa de finalistas da Dri com um fim-de-semana romântico. Nunca tinha ido a Viseu e por isso tudo naquela cidade era novo para mim.
Ficamos no hotel Onix para podermos aproveitar o sol (que não foi muito) e a piscina do hotel.

O hotel não tinha a decoração mais bonita de sempre porém a relação qualidade-preço justificou a 100% a escolha deste hotel. A localização era muito boa, os funcionários eram simpáticos e atenciosos. A piscina era grande, muito bem localizada num local muito sossegado e foi possível passar lá tempo a relaxar.  Recomendo o hotel a toda a gente que queira aproveitar os dias para descansar.

O local nunca é o mais importante, o mais importante é estarmos juntos e aproveitarmos o tempo que temos para namorar.


(as fotos não são da minha autoria) 

sexta-feira, 12 de julho de 2019

5 anos de ÁTOA

Os "meus" miúdos fazem hoje 5 anos de existência! Tenho tanto orgulho em tudo aquilo que eles foram conquistando e no percurso que estão a seguir. 
Nunca vou conseguir explicar o quão feliz sou nos concertos dos ÁTOA! Nunca vou conseguir descrever o meu sentimento de felicidade todas as noites de verão passadas a vê-los tocar.
Se dependesse de mim, ia a um todas as semanas e juro que não me cansava. Sinto-me em casa quando estou lá.


Deixo-vos aqui duas das novas músicas deles. Oiçam e apoiem a música portuguesa.


terça-feira, 9 de julho de 2019

O que visitar em Viseu?

Digam-me sítios que valem a pena visitar e locais para comer que sejam de visita obrigatória!

terça-feira, 2 de julho de 2019

Ouve o teu corpo. Cuida daquela dor de cabeça que já te anda a chatear há semanas. Passa tempo sozinha. Cuida do teu cabelo. Pratica desporto. Ouve a mesma música mil vezes. Dança como se não houvesse amanha. Lê bons livros. Vê filmes que te fazem chorar de tanto rir. Aprende a dizer não. Vê o amanhecer e o pôr-do-sol no mesmo dia.  Saí da tua zona de conforto. 
Pára de por toda a gente em primeiro lugar na tua vida. Começa a fazer aquilo que gostas e não aquilo que as outras pessoas querem que tu faças. Cuida da tua saúde mental. 

domingo, 23 de junho de 2019

Férias '19

Já têm planos para o Verão?

Contem-me o que vão fazer! 

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Música | Hit de Verão


O David Carreira ainda consegue surpreender as pessoas. Lançou uma nova música na passada sexta-feira e promete ser um hit de verão. Eu tenho a certeza que esta será uma música que irá marcar este verão! Está no número 1 das tendências no youtube em Portufgal e superou todas as músicas já lançadas por ele. 
Já conhecem?
O que acharam?

terça-feira, 4 de junho de 2019

Ensino Superior

Qual é a vossa opinião?
Mestrado a seguir à licenciatura ou ano de pausa?

sexta-feira, 31 de maio de 2019

5 de 12 | Maio

Como gosto de o intitular, maio é o mês dos estudantes. Maio é o mês dos testes, das entregas mas também o mês das serenatas, das despedidas, das festas, e de ver o sol nascer.
E este ano, Maio ganhou ainda mais sentido e emoção. 

Nunca vou conseguir descrever a 100% tudo o que vivi este mês, nunca vou conseguir agradecer tudo o que me aconteceu este mês - mesmo as coisas menos boas. 
Comecei o mês a batizar os meus caloiros, a ser surpreendida com um pedido de apadrinhamento e a pensar que não ia aguentar estas emoções todas durante o mês inteiro. Vieram as serenatas, o traçar de capas e o momento de abraços fortes, e chegou o tão esperado dia de finalistas. 

A imposição das insígnias, os abraços de quem sempre esteve presente, o almoço que irei recordar por muitos anos e a missa de finalistas - sim, porque aproveitei tudo o que tinha direito neste dia. 
Chegou o tão esperado enterro da gata, e com ele vieram as fotos aleatórias, as conversas com desconhecidos, as conversas profundas e as tardes no café só para recuperar. 
E estudante que é estudante deixa tudo para o ultimo dia por isso, acabou o enterro e chegaram as datas de entrega de trabalhos. Chegaram as tardes a estudar, a fazer trabalhos de grupo e relatórios finais.
Foi também neste mês que chegou o ultimo dia de estagio, a última aula da licenciatura e assim, o fim de uma etapa. 

Este mês foi também mês de cafés com as minhas pessoas, mês de decisões e ponderações e, sobretudo, foi um mês de descobertas. Fiquei mesmo feliz com as pessoas que redescobri este mês, com os momentos que passamos juntos e com memórias que fomos criando. Há aqueles que ficam, ano após ano, e aqueles que aparecem e te marcam de uma maneira diferente. 

Fiz seis anos de namoro, e apesar de não o termos celebrado juntos, foi mais uma vitória que conquistamos juntos.

O Benfica foi campeão nacional, os ÁTOA lançaram um CD e eu marquei mais uma viagem (e já são duas na agenda!). 

Maio foi, sem dúvida, um mês de surpresas.




segunda-feira, 20 de maio de 2019

Campeão Nacional


Meu Grande Benfica ❤️



sexta-feira, 17 de maio de 2019

o fim de uma etapa

e caiu a ficha.
percebi agora que sou mesmo finalista, que acabou a praxe - para sempre, e que tenho mesmo três afilhadas (não sei bem como). 
só agora, depois de ver todas as fotos, de ler tudo e mais alguma coisa, de ouvir todas as músicas é que percebi que isto acabou tudo. 

nunca vou conseguir descrever em palavras tudo aquilo que se sente quando se vive este percurso de uma maneira tão intensa. o meu primeiro ano foi o melhor ano de sempre, e a partir daí, as coisas só pioraram. felizmente consegui que o fim do percurso valesse por todo o ano péssimo que tive. 
fui tão feliz no meu pedido de apadrinhamento. aquelas miúdas surpreenderam-me tanto e de uma maneira tão bonita. de tudo aquilo que era possível eu imaginar elas conseguiram superar - como superam sempre. 

senti as serenatas de uma maneira muito especial. não por serem as serenatas mas por ser o acumular de todo um ano. e chorei. chorei quando a abracei e disse "eu não aguento isto." depois lá tive o meu abraço-casa e recompus-me. até que vieram ter comigo e disseram as palavras mais inesperadas e mais bonitas que podiam ter sido ditas naquele dia. 

vivi o dia de finalistas como tudo aquilo que tinha direito. sem desistências, sem pressas e com muito sono e cansaço acumulado. mas foi incrível. porque esteve lá toda a gente que fez parte do percurso. tive comigo aqueles que estão sempre e também tive aqueles que já não estão comigo mas que mesmo assim estiveram naquele dia. e percebi que as pessoas que ganhei podem nem durar para sempre, mas as memórias que construímos juntos vão durar. 

o cortejo foi o último acontecimento, era aqui que eu achava que me ia cair a ficha. mas não foi. vivi o cortejo de uma maneira muito diferente dos últimos dois anos. disse tudo o que tinha a dizer aqueles que praxei e agradeci por todas as coisas boas que fizeram durante este ano. tenho muito orgulho naqueles miúdos e nas pessoas que eles se tornaram. agradeço imenso aos meus doutores que estiveram lá, e que me fizeram perceber que a praxe nunca acaba. é só um fechar de um ciclo. 

ganhei muitas pessoas boas neste percurso, ganhei muitos abraços que me reconfortaram. ganhei muitas experiências novas, e aprendi muito com estas pessoas. porque no final, o que conta são as pessoas que conquistaste e as aprendizagens que tiraste, e não os 18's no final do semestre. 








terça-feira, 14 de maio de 2019

Praxe | O fim


Caloirada,


Acabou a melhor experiência da vossa vida. Acabou aquele que seria o melhor ano do vosso percurso académico. Acabou aquele que é, para mim, o melhor método e a melhor técnica de integração e quebra-gelo que pode existir: a praxe.

Espero que consigam perceber a razão de cada flexão, espero que agora consigam perceber quem está ao vosso lado mesmo sem tirar os olhos do chão. Espero que já consigam perceber a grande magia deste fenómeno que é a praxe.
Espero, mesmo, que daqui a dois anos os vossos putos consigam sentir respeito por vocês, que consigam olhar para o chão durante todo o ano de praxe e que não reclamem de todas as ordens que vocês dão. Espero, sinceramente, que consigam transmitir alguns valores que a praxe vos incutiu. Que nunca se esqueçam que quando um enche, enchem todos. E, infelizmente para vocês, agora deixa de ser flexões e passa a ser tudo na vida. A partir de agora não têm pessoas vestidas de preto a orientarem-vos nem a darem a cara por vocês. A partir de agora, quando um fizer merda, vão fazer todos. A partir daqui é uma descoberta e um desafio.
Apoiem-se uns aos outros, sejam amigos uns dos outros e mais importante que isso tudo, não deixem que ninguém desista, caloirada.
Com amor, doutora Catarina


quinta-feira, 9 de maio de 2019

Ensino superior | praxe

A praxe é contagiante!
     O meu ano de caloira está a acabar! Agora que lembro de tudo o que fiz, o ano passou demasiado rápido. Parece que foi ontem que cheguei a universidade no dia das matrículas e fui abordada com a pergunta “Queres fazer parte da praxe?”. Eu não questionei sequer o que era a praxe, simplesmente disse que sim pois seria um novo desafio que eu queria descobrir.
     A praxe é sem dúvida a tradição mais linda que eu já vi e vivi, digam o que quiserem, a praxe é contagiante. Inicialmente, ouvi muitas opiniões sobre a praxe, sobre aquilo que devia ser e até mesmo sobre o que era a minha praxe e, através dessas opiniões, construí uma postura que não foi de todo a mais adequada para o ambiente. Realmente foi muito confuso para mim obedecer a pessoas da minha idade ou até mais novas que eu. Na minha cabeça não fazia sentido estar ali a ouvir aquelas pessoas a pedirem para olhar para o chão, para não falar com meus colegas em bloco e até mesmo a tratar pessoas novas por “você”, enfim eu não sabia nada, aliás, um caloiro nunca sabe. Eu vivi um ano de caloira muito intenso, foi complicado no início aceitar que a condição necessária para estar na praxe era obedecer e respeitar as ordens. Depois da aceitação vem o amor, amor ao curso, ao macacão, aos meus colegas e aos momentos que conseguimos construir. Nesses pouco menos de 9 meses, senti tanta coisa que é difícil reportar em palavras.
     O primeiro ano de universidade é sempre o mais difícil, com a distância dos familiares, ter que criar novos laços e tudo isso leva-nos ao cansaço emocional e estar sozinha não ajuda nada. Nesses momentos a praxe esteve lá, quando as coisas não corriam bem em casa, quando as amizades não estavam a funcionar com a distância, quando o relacionamento já não resultava, a praxe esteve sempre lá e sem me aperceber, aquilo que era um desafio tornou-se a ponte de todos os laços emocionais, um refúgio para tudo aquilo que não corria bem. E hoje sinto uma enorme gratificação por tudo o que a praxe conseguiu transmitir, não se trata só de integração mas também união, respeito, amizade, solidariedade e acima de tudo, uma família através dos sorrisos, das brincadeiras, das lágrimas, dos momentos sérios e memoráveis. Quando estava em praxe, não conseguia pensar em mais nada a não ser naquilo que estava a fazer naquele momento. Houve muitas lágrimas sim, houve momentos em que pensei em desistir, houve momentos em que só queria desaparecer dali, houve momentos em que ninguém entendia o porquê de querer tanto a praxe, mas também houve alturas em que eu só queria que aquele dia tivesse mais horas só para estar mais tempo com todos, houve momentos mágicos, houve muito orgulho e alegria. Vou sentir imensas saudades de ser praxada, de ouvir na cabeça por erros evitáveis, saudades de cada abraço, de cada música e de cada hino de curso que só demonstrava que eu fiz a escolha certa quando não desisti, quando não virei as costas.
     Na reta final sentimos as coisas em contagem decrescente, e é aqui que a praxe se torna contagiante, na compra do traje, o sentimento de “tudo valeu a pena” e um orgulho enorme, uma felicidade sem dimensões. Obviamente que qualquer aluno pode vestir o traje e eu não sei qual é a sensação de quem está de fora, mas para mim o traje simboliza muito mais que a academia, simboliza o amor ao meu curso, a cada momento passado em bloco e com os meus doutores, o orgulho de conseguir chegar ao fim, de conhecer pessoas incríveis, simboliza a melhor experiência que vivi e é o testemunho que isto não acaba aqui.
      A praxe é contagiante e é uma experiência para a vida toda, aconselho a todos que experimentem pois a praxe não é o que a sociedade fala, não é o que a tua família receia, a praxe é aquilo que cada um sente, um culminar de emoções e lições que vão andar sempre connosco durante a vida académica, são momentos únicos. Experimentem e aproveitem porque cada minuto vale a pena e infelizmente, passa muito rápido.
caloira de educação

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Música | Inspiração da semana

Trago-vos mais uma música dos ÁTOA. Esta música é um pouco diferente daquilo que estamos habituados, tem uma letra muito forte e que fala sobre uma realidade cada vez mais presente na nossa sociedade. Aconselho muito a ouvirem e a sentirem a mensagem. 

"A tua presença faz toda a diferença"

quarta-feira, 1 de maio de 2019

4 de 12 | Abril

Abril foi um mês bom! Apesar de tudo o que me deixou em baixo, o balanço final é positivo.


Em Abril, trabalhei pela primeira vez no dia de Páscoa. Contra tudo aquilo que acredito e defendo fui trabalhar porque há coisas que nós não controlamos. Sendo eu crente como sou, a Páscoa é dia de família, dia de tradições - e não dia de ir ao shopping.
Em Abril, tive a minha segunda praxe 24h, desta vez como doutora e incrivelmente gostei mais quando fui caloira.
Fui às jornadas de Educação, e foi sem dúvida dos momentos mais altos do meu mês.

Começaram os trabalhos da universidade, os testes e os estudos no dia anterior.
Tive encontros casuais com pessoas muito boas, e que me deixaram mega feliz. Tive momentos de raiva e tristeza como nunca tinha tido, mas percebi rapidamente que nem toda a gente vale o stress que te causa. Tive a sorte de ter pessoas ao meu lado que pegaram em mim e me levaram a respirar, "calma Cat, isto passa. Vamos passear."
Praxei muito. E desfrutei deste pré-maio. Aceitei as diferenças de ideias, e tive de ceder muitas vezes porque a praxe é isso. Sinto que praxar foi das melhores coisas que fiz este ano, e sinto-me tão calma quando o estou a fazer.


A saudade já me invade o coração todos os dias, e só consigo pensar no quanto vou chorar na próxima semana.

Maio é sem dúvida o mês que mais boas recordações - dos anos anteriores - e sei que este ano vai ser muito característico, por ser o meu ultimo mês de maio, como o mês dos estudantes universitários. Espero que seja surpreendentemente bom!


quinta-feira, 25 de abril de 2019

Tão bom ter uma viagem marcada!

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Cinema | After

Depois de tantas opiniões negativas que li sobre este filme fiquei sem vontade de o ir ver mas lá acabei por ir. 
É dos piores filmes românticos que alguma vez vi. Não senti que houvesse um seguimento na história, as coisas aconteciam de uma maneira muito óbvia e era tudo demasiado previsível. 
Penso que é um típico filme adolescente, tem muitas cenas românticas, e tem as típicas partes que todas as raparigas desejavam que um dia acontecesse com elas, porém, torna-se muito irrealista e acontece tudo demasiado rápido e sem razão.
Fiquei com a impressão que o livro está mil vezes melhor, devido a todas as críticas que li no Twitter, e fiquei com muita vontade de o ler para ficar com uma ideia diferente. 

Vocês já viram? O que acharam?

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Arrisca

Se continuares a fazer as mesmas coisas, se continuares a ter os mesmos hábitos, se continuares a estar com as mesmas pessoas, se continuares a pensar da mesma maneira, nada vai mudar. Não vais ter mudanças se continuares a fazer tudo igual.

Permite-te sair da tua zona de conforto, permite-te sair da rotina e das pessoas que te rodeiam. Se mudares o pensamento, vais descobrir que existe muito mais para além daquilo que tu conheces. Permite-te conviver com outras pessoas, permite-te ir mesmo sem teres os planos todos definidos.
Arrisca no desconhecido. Se não gostas de como estás, tu é que tens de mudar. O mundo não vai mudar por ti.
Arrisca. 

domingo, 7 de abril de 2019

Semana Santa | Via Sacra Maximinos

A Semana Santa é a maior semana do ano na cidade de Braga devido a todos os eventos e celebrações que acontecem. A cidade veste-se a rigor para receber todos os visitantes que querem viver a Pascoa de uma maneira intensa.
No próximo domingo (14 de Abril) irá realizar-se a Via Sacra de Maximinos e eu convido toda a gente a aparecer e a entrar no espírito. 

Podem saber mais aqui. 

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Sweet 22

Não gosto de fazer anos porque sempre dei mais importância a quem não esteve presente e a quem não se lembrou de mim do que a quem esteve presente. Este ano tentei, com muito esforço, não fazer isso. Sei de cor toda a gente que não se lembrou de mim. Porém, tentei não pensar nisso durante o meu dia.
Foi a 1º vez, desde há muito tempo, que não chorei neste dia.
Aproveitei a minha festa de anos de uma maneira autentica. Abracei muito e agradeci por estarem presentes. Fiquei num mood incrível e consegui aproveitar a noite que tanto receei.
Almocei a apanhar sol e deite-me na areia a ouvir o mar e a respirar fundo (pedindo com muita força que este ano seja melhor que o que passou).
Fui passear com a minha família e desfrutei do meu dia com as minhas pessoas.
Não senti vontade de chorar. Não esteve muita gente presente que eu gostava que estivesse mas isso não é, nem nunca mais vai ser, o mais importante. 
O importante é quem fez o esforço para estar presente, o mais importante foi quem passou por lá mesmo sendo apenas 5 min só para me abraçar e dar os parabéns. 

terça-feira, 2 de abril de 2019

3 de 12 | Março

Sinto que este mês passou muito rápido mas que não aconteceu nada de especial durante todo o mês.

Entre a rotina de casa - universidade -trabalho, consegui ver alguns pores do sol bonitos, consegui tomar café com pessoas especiais e que nos transmitem energia que mais precisamos.

Fui ao Carnaval de Famalicão pela primeira vez e gostei muito. Sinto que foi o mês muito caseiro, em que tudo o que me apetecia fazer era ficar em casa deitada no sofá. Porém existiram pessoas que me arrancaram de casa e fizeram com que valesse a pena ter feito esse esforço.
Festejei o meu aniversário e irei partilhar convosco como foi!
Os ÁTOA lançaram novamente uma música e eu fico sempre feliz por eles.

Não posso dizer que foi um bom mês, mas também não foi péssimo. Foi normal. (E eu nunca uso a palavra normal para descrever alguma coisa!)

sábado, 30 de março de 2019

10 coisas que ainda não aprendi com 21 anos

Amanhã faço 22 anos e hoje trago-vos as 10 coisas que eu ainda não aprendi com 21 anos! 
Deixem nos comentários aquilo que sabem que é verdade mas que ainda não aprenderam! 


Ainda não aprendi a tolerar atrasos. Odeio ter que esperar por alguém, odeio que alguém se atrase para um compromisso, por muito insignificante que ele seja. Não gosto que as pessoas esperem por mim por isso também não gosto de esperar.

Ainda não aprendi a viver sem chocolate. Por muito que tente não consigo passar muito tempo sem comer chocolate.

Ainda não aprendi a não curar as minhas angústias com comida. Se estou triste como, se estou stressada como. Sempre que não estou bem, refugio-me na comida (e ainda por cima, comida nada saudável!)

Ainda não aprendi que o que acontece nos filmes românticos não vai acontecer na vida real. O rapaz dos filmes não é real, a tua melhor amiga não vai passar a vida na tua casa e as festas bonitas também não vão acontecer. Por muito bonito que seja o filme, ele não passa de um filme. E não vai acontecer na vida real.

Ainda não aprendi a NÃO chorar no dia dos meus anos. Todos os anos choro. Não gosto de fazer anos e não gosto que as pessoas se esqueçam deste dia.

Ainda não aprendi que não é possível viajar todos os meses. Por muitas chapadas que eu leve da vida eu vou achar sempre que é possível sair da rotina todos os meses, ir para algum sítio diferente para recuperar energias. Por isso é que passo tanto tempo a ver voos, e sítios para visitar.

Ainda não aprendi que nem toda a gente que me rodeia é boa pessoa. Continuo a ser a pessoa inocente que acha que estou rodeada de pessoas que só têm boas intenções e que não fazem nada de mal, nem nada para prejudicar os outros.

Ainda não aprendi que as amizades não são eternas. Esta é uma das coisas que eu ainda não aprendi e que continuo sem querer aprender. Às vezes gosto de acreditar que tudo tem as suas fases mas que mesmo assim as pessoas estão lá para mim. Continuo a acreditar que não é por passar muito tempo que deixamos de ser amigos.

Ainda não aprendi que nem toda a gente que eu gosto, vai gostar de mim da mesma maneira. E por muito que eu tente e que me esforce nunca vou conseguir aprender isso.

Ainda não aprendi a organizar o meu estudo. Passo dias sem fazer nada e depois passo dias só a estudar. Não consigo ter a matéria em dia, por muito que tente.


sexta-feira, 29 de março de 2019

Música | Sem ti

Os Átoa voltaram a lançar uma  nova música que estará presente no novo álbum deles. Quero tanto que chegue o Verão para voltar à rotina dos concertos!


Já conheciam? 

quinta-feira, 21 de março de 2019

A vida é mais leve quando acreditas que nada acontece por acaso. É muito mais fácil confiares nas voltas da vida [e nas reviravoltas] quando acreditas que nenhuma dessas voltas é por acaso. 
Tudo aquilo que vai embora da tua vida vai voltar se assim tiver de ser. 
É acreditando com muita força que vais conseguir, que vai acontecer, que vai melhorar. Nada acontece na tua vida sem uma razão. 
As voltas da vida são necessárias para perceberes que a volta por cima é a melhor volta. (mesmo que não percebas isso no momento.)

terça-feira, 19 de março de 2019

Utilidade pública: instagram


Se forem ao instagram e procurarem por #ansiedade vai aparecer-vos uma notificação a perguntar se precisam de ajuda. Depois têm três opções: números de apoio, dicas para combater a ansiedade e por fim, como contar a alguém de confiança como se estão a sentir.


Com isto, sinto que o instagram quer transmitir a mensagem que não estão sozinhos. Que tudo tem uma solução e tudo passa.

Estejam atentos a quem está à vossa volta e aos sintomas do vosso corpo.
Há sempre alguém que vos pode ajudar, peçam ajuda. 


sexta-feira, 15 de março de 2019

Ensino Superior


Nem acredito que toda a confusão de ser finalista está quase a chegar. 
Não estou preparada para tudo isto. Posso voltar a ser caloira?

segunda-feira, 11 de março de 2019

Música | Inspiração da semana

Na noite de Carnaval a comercial passou esta música às 3h da manhã. Andei horas à procura dela no Youtube e não existia em lado nenhum. No dia 8, procurei outra vez e para minha felicidade tinha sido publicada há dois minutos! Fiquei o resto do dia a ouvi-la, como é óbvio!

                                                            Já ouviram? Eu gostei muito!

quarta-feira, 6 de março de 2019

estar alerta

Psiu,

nem todas as pessoas são tão fortes quanto tu, sabias?
Tu não sabes o que a pessoa ao teu lado está a sentir neste momento. Se calhar aquela frase mais arrogante que disseste, mesmo sem intenção, magoou-a.
Tu nem sabes, mas se calhar ela está numa fase má, sem vontade de fazer nada e só está aí porque é obrigada a estar.


Isto é um alerta. Estejam atentos. Atentos às pessoas com quem lidam diariamente, às pessoas que vos parecem bem e que podem não estar. Acreditem, é fácil fingir que estamos bem, e não estarmos. Preocupem-se com as pessoas que estão à vossa volta antes que seja tarde demais. Convidem-nas para fazerem coisas juntas, arranjem tempo para a arrancares de casa. Não sei, faz alguma coisa, mas contraria aquela vontade que ela sente de ficar isolada em casa.

Eu não sou nenhuma especialista neste assunto, mas sei que cada vez mais pessoas se sentem sozinhas mesmo estando rodeadas de pessoas. Sei o quanto uma palavra mal dita pode magoar alguém mais sensível e sei que há uma grande vontade de ficar em casa isoladas do mundo.
Por isso, escrevo-vos isto para estarem atentos, não só às pessoas que estão à vossa volta mas, também a vocês próprios. Aprendam a saber o que vos faz bem e o que não faz. Aprendam a contrariar as vossas vontades quando isso é o melhor para vocês. Saibam que dias em casa de pijama a descansar é necessário, mas que também é preciso ter vontade de sair de casa e descobrir o mundo.
Tracem os vossos objetivos, por muito pequeninos que vos pareçam agora, e concretizem-nos.
As doenças mentais não são uma brincadeira. Cuidem de quem está ao vosso lado e deixem que as pessoas também cuidem de vocês. Aprendam a controlar o vosso corpo e as vossas emoções.
Vamos deixar de ser egoístas e começar a prestar atenção às pessoas que encontramos todos os dias?