sábado, 30 de março de 2019

10 coisas que ainda não aprendi com 21 anos

Amanhã faço 22 anos e hoje trago-vos as 10 coisas que eu ainda não aprendi com 21 anos! 
Deixem nos comentários aquilo que sabem que é verdade mas que ainda não aprenderam! 


Ainda não aprendi a tolerar atrasos. Odeio ter que esperar por alguém, odeio que alguém se atrase para um compromisso, por muito insignificante que ele seja. Não gosto que as pessoas esperem por mim por isso também não gosto de esperar.

Ainda não aprendi a viver sem chocolate. Por muito que tente não consigo passar muito tempo sem comer chocolate.

Ainda não aprendi a não curar as minhas angústias com comida. Se estou triste como, se estou stressada como. Sempre que não estou bem, refugio-me na comida (e ainda por cima, comida nada saudável!)

Ainda não aprendi que o que acontece nos filmes românticos não vai acontecer na vida real. O rapaz dos filmes não é real, a tua melhor amiga não vai passar a vida na tua casa e as festas bonitas também não vão acontecer. Por muito bonito que seja o filme, ele não passa de um filme. E não vai acontecer na vida real.

Ainda não aprendi a NÃO chorar no dia dos meus anos. Todos os anos choro. Não gosto de fazer anos e não gosto que as pessoas se esqueçam deste dia.

Ainda não aprendi que não é possível viajar todos os meses. Por muitas chapadas que eu leve da vida eu vou achar sempre que é possível sair da rotina todos os meses, ir para algum sítio diferente para recuperar energias. Por isso é que passo tanto tempo a ver voos, e sítios para visitar.

Ainda não aprendi que nem toda a gente que me rodeia é boa pessoa. Continuo a ser a pessoa inocente que acha que estou rodeada de pessoas que só têm boas intenções e que não fazem nada de mal, nem nada para prejudicar os outros.

Ainda não aprendi que as amizades não são eternas. Esta é uma das coisas que eu ainda não aprendi e que continuo sem querer aprender. Às vezes gosto de acreditar que tudo tem as suas fases mas que mesmo assim as pessoas estão lá para mim. Continuo a acreditar que não é por passar muito tempo que deixamos de ser amigos.

Ainda não aprendi que nem toda a gente que eu gosto, vai gostar de mim da mesma maneira. E por muito que eu tente e que me esforce nunca vou conseguir aprender isso.

Ainda não aprendi a organizar o meu estudo. Passo dias sem fazer nada e depois passo dias só a estudar. Não consigo ter a matéria em dia, por muito que tente.


sexta-feira, 29 de março de 2019

Música | Sem ti

Os Átoa voltaram a lançar uma  nova música que estará presente no novo álbum deles. Quero tanto que chegue o Verão para voltar à rotina dos concertos!


Já conheciam? 

quinta-feira, 21 de março de 2019

A vida é mais leve quando acreditas que nada acontece por acaso. É muito mais fácil confiares nas voltas da vida [e nas reviravoltas] quando acreditas que nenhuma dessas voltas é por acaso. 
Tudo aquilo que vai embora da tua vida vai voltar se assim tiver de ser. 
É acreditando com muita força que vais conseguir, que vai acontecer, que vai melhorar. Nada acontece na tua vida sem uma razão. 
As voltas da vida são necessárias para perceberes que a volta por cima é a melhor volta. (mesmo que não percebas isso no momento.)

terça-feira, 19 de março de 2019

Utilidade pública: instagram


Se forem ao instagram e procurarem por #ansiedade vai aparecer-vos uma notificação a perguntar se precisam de ajuda. Depois têm três opções: números de apoio, dicas para combater a ansiedade e por fim, como contar a alguém de confiança como se estão a sentir.


Com isto, sinto que o instagram quer transmitir a mensagem que não estão sozinhos. Que tudo tem uma solução e tudo passa.

Estejam atentos a quem está à vossa volta e aos sintomas do vosso corpo.
Há sempre alguém que vos pode ajudar, peçam ajuda. 


sexta-feira, 15 de março de 2019

Ensino Superior


Nem acredito que toda a confusão de ser finalista está quase a chegar. 
Não estou preparada para tudo isto. Posso voltar a ser caloira?

segunda-feira, 11 de março de 2019

Música | Inspiração da semana

Na noite de Carnaval a comercial passou esta música às 3h da manhã. Andei horas à procura dela no Youtube e não existia em lado nenhum. No dia 8, procurei outra vez e para minha felicidade tinha sido publicada há dois minutos! Fiquei o resto do dia a ouvi-la, como é óbvio!

                                                            Já ouviram? Eu gostei muito!

quarta-feira, 6 de março de 2019

estar alerta

Psiu,

nem todas as pessoas são tão fortes quanto tu, sabias?
Tu não sabes o que a pessoa ao teu lado está a sentir neste momento. Se calhar aquela frase mais arrogante que disseste, mesmo sem intenção, magoou-a.
Tu nem sabes, mas se calhar ela está numa fase má, sem vontade de fazer nada e só está aí porque é obrigada a estar.


Isto é um alerta. Estejam atentos. Atentos às pessoas com quem lidam diariamente, às pessoas que vos parecem bem e que podem não estar. Acreditem, é fácil fingir que estamos bem, e não estarmos. Preocupem-se com as pessoas que estão à vossa volta antes que seja tarde demais. Convidem-nas para fazerem coisas juntas, arranjem tempo para a arrancares de casa. Não sei, faz alguma coisa, mas contraria aquela vontade que ela sente de ficar isolada em casa.

Eu não sou nenhuma especialista neste assunto, mas sei que cada vez mais pessoas se sentem sozinhas mesmo estando rodeadas de pessoas. Sei o quanto uma palavra mal dita pode magoar alguém mais sensível e sei que há uma grande vontade de ficar em casa isoladas do mundo.
Por isso, escrevo-vos isto para estarem atentos, não só às pessoas que estão à vossa volta mas, também a vocês próprios. Aprendam a saber o que vos faz bem e o que não faz. Aprendam a contrariar as vossas vontades quando isso é o melhor para vocês. Saibam que dias em casa de pijama a descansar é necessário, mas que também é preciso ter vontade de sair de casa e descobrir o mundo.
Tracem os vossos objetivos, por muito pequeninos que vos pareçam agora, e concretizem-nos.
As doenças mentais não são uma brincadeira. Cuidem de quem está ao vosso lado e deixem que as pessoas também cuidem de vocês. Aprendam a controlar o vosso corpo e as vossas emoções.
Vamos deixar de ser egoístas e começar a prestar atenção às pessoas que encontramos todos os dias?



segunda-feira, 4 de março de 2019

Música | Inspiração da Semana

Os boys lançaram outra música incrível! 
Sem avisar ninguém, sem grande publicidade, foi mesmo de surpresa! 
Já ouviram a nova música dos ÁTOA? Deixo-vos o video em baixo para ser a vossa motivação esta semana. E, não se esqueçam: é uma questão de tempo, não há mal que dure para sempre. 

"4 putos ÁTOA, made in Alentexas ainda de cara lavada.
Lembram-se de a «Distância» ser só uma voz e guitarra?"

sexta-feira, 1 de março de 2019

2 de 12 | Fevereiro

Fevereiro é o mês de aniversários. É o mês mais familiar, o mês de festejar em família a alegria de estarmos vivos e de estarmos juntos. A verdade é que, este mês, pregou-nos vários sustos.

Fui ao jantar de despedida de uma colega de trabalho, e fico sempre triste ao ver pessoas ir embora, mesmo sabendo que é por uma boa causa.
Ofereci gomas a mim própria no dia dos namorados, e não tive um jantar romântico com o meu namorado nesse dia. (Desculpa sociedade!)
Tive oportunidade de ver o mar, e de aproveitar os dias quentes de Fevereiro tanto numa esplanada, como numa caminha matinal com fones nos ouvidos. (nunca achei que estaria tanto calor em Fevereiro!).

Tive conversas mesmo necessárias, que foram uma lufada de ar fresco e que me senti mesmo feliz por as ter. Arranjei tempo para as minhas pessoas, mesmo tendo a agenda preenchida com coisas que nem me apeteciam fazer, mas que tinham de ser feitas. Senti-me muito bem a praxar e senti que era a melhor coisa que eu estou a fazer na universidade neste momento. Senti-me mãezinha deles, mesmo sem ter de o ser. Fui surpreendida por mensagens inesperadas de pessoas ainda mais inesperadas.
Deprimi muito tempo a pensar no que está a acontecer à minha volta, a pensar nas decisões que tenho de tomar e no que ando a fazer. Sinto que estou um bocado perdida, e que toda a gente tem uma opinião a dar, menos eu - sobre a minha própria vida. Senti que não estava a fazer nada certo, mas que por alguma razão tinha de continuar a fazer.
Não há muito mais a dizer sobre Fevereiro. Não consigo arranjar palavras suficientes para descrever como é que podemos magoar alguém com as nossas palavras mesmo que não seja intencional. Por todas as razões, e por tudo aquilo que tenho vivido, peço-vos que estejam atentos - atentos às vossas atitudes e às vossas palavras.

Março é o meu mês, e espero realmente que ele corra da melhor maneira.